O lançamento do Magnavox Odyssey há 40 anos marca aniversário dos videogames

O ano de 2012 marcou os 40 anos de lançamento do primeiro console de videogame, o Magnavox Odyssey. O aparelho trazia algo bastante curioso para os tempos de hoje: os jogos não apresentavam arte gráfica e sonora. Na tela, o jogador controlava um ponto de luz e, para que a mecânica do jogo fizesse algum sentido, era necessário acoplar no televisor uma placa plástica transparente ilustrada. Isso porque o sistema – projetado em plena década de 1960 –  não possuía microprocessadores, como os consoles modernos, mas sim circuitos eletrônicos. A lógica binária zero (0) e um (1) reproduzia tais pontos de luz no televisor.

A segunda geração do Magnavox Odyssey (Odyssey²) foi lançada em 1978, pela Magnavox filiada à Philips. Inspirado em consoles domésticos como Fairchild (1976) e Atari (1977), que utilizavam sistemas baseados em ROM (Read Only Memory),Odyssey² já conseguia processar recursos gráficos, sonoros e pontuações em seus jogos. A plataforma da Philips apresentava um teclado integrado ao console, para ser utilizado com jogos educativos e também para no título que buscava ensinar conceitos básicos de programação de softwares.

No Brasil, a plataforma começou a ser comercializada pela Planil Comércio e Indústria Eletrônica Ltda., que não era vinculada nem à Philips nem à Magnavox e vendeu poucas unidades. Em 1983, a Philips Brasil entraria no circuito lançando o Odyssey Philips. O videogame foi bem recebido pelos brasileiros, os títulos de jogos em inglês foram traduzidos para o português, a realização de torneios era constante e a revista Odyssey Aventura passou a ser publicada também no país

 

Comercial do Magnavox Odyssey, veiculado em 1973 nos Estados Unidos

Segunda geração: Magnavox Odyssey²

O inventor do Odyssey, Ralph H. Baer ganhou o processo contra a Atari, aberto em 1974,  por plágio do título da Magnavox que deu origem ao Pong