Game designer de FarmVille 2 fala sobre o novo título

Na semana passada, a Zynga disponibilizou a versão beta do jogo FarmVille 2 no Facebook e também no próprio site. O título vem em boa hora, literalmente, um trunfo para a gigante dos jogos sociais, que se depara com uma série de preocupações recentes, como a queda de suas ações na bolsa de valores, a migração dos seus jogadores para aplicativos móveis, a acusação de violação dos direitos autorais pela Eletronic Arts (EA), a relação de dependência com a plataforma do Facebook e as críticas constantes dos formadores de opinião em relação às estratégias de negócio da empresa. Apesar do novo lançamento da franquia, a Zynga afirma que FarmVille não será descontinuado e que as equipes de desenvolvimento permanecerão atuando, de forma independente, nos respectivos projetos.

A grande cartada da Zynga talvez tenha sido a contratação de Wright Bagwell, diretor de design de FarmVille 2 e profissional experiente, advindo da Visceral Games que integra a EA. Há dois anos, Bagwell vem atuando dentro de um universo de criação diferente daquele que já está acostumado. Acostumado a projetar jogos de ação, como as  franquias Dead Space e 007, sua missão agora é outra: projetar games sociais com foco nos jogadores mais experientes, se distanciando das mecânicas tradicionais e repetitivas, geralmente adotadas pelas empresas desenvolvedoras do gênero.

De acordo com o diretor de design, o objetivo de FarmVille 2 é proporcionar uma nova experiência agrícola dentro de uma mecânica diferente. “Se há uma coisa que você aprende na indústria de jogos é que a tentativa de fazer algo novo é incrivelmente intimidador, arriscado e assustador, mas é também um dos desafios mais divertidos: como podemos construir um novo conceito, fazer com que os jogadores entendam e que rapidamente se divirtam?”, comenta Bagwell.

O maior acerto da nova versão de FarmVille é ter deixado de lado o sistema de energia, responsável pelo número de ações diárias do jogador, estratégia de monetização presente na maior parte dos jogos sociais.”Tentamos extrair o melhor dos jogos Ville e, em seguida, corrigimos os problemas que detectamos e coisas que ouvimos dos nossos jogadores”, comenta o diretor de design.

Os novos limitadores de FarmVille 2 serão os próprios recursos naturais para manter as plantações (água, fertilizante) e os animais (ração). Haverá um ecossistema que retroalimenta as ações do game. Bagwell buscou fugir dos sistemas frenéticos de recompensa que acumulavam uma lista extensa, com intermináveis missões. A solução foi espaçar o tutorial, utilizando os personagens do jogo para mostrar diariamente novas ações e proporcionando ao jogador a sensação de maior liberdade.

“Eu quero que tenha sentido para as pessoas, nós queremos ter certeza de que elas permanecerão felizes. Mas queremos que seja flexível, por isso vamos continuar dando coisas valiosas para elas fazerem”, defende. Outras regras entediantes que foram retiradas: a vida útil da plantação e o sentimento dos animais quando não eram alimentados no tempo estabelecido. Essas ações forçavam o jogador a entrar de hora em hora no game, uma medida um tanto quanto negativa.

Para o game designer, a experiência da nova versão de FarmVille deve proporcionar tranquilidade tanto através dos recursos de interação – tornando a experiência tátil mais agradável – quanto em relação aos aspectos sonoros e visuais. Ao jogar FarmVille 2 é perceptível a suavidade da nova linha de arte – muito semelhante à do CastleVille. Os gráficos em 3D foram desenvolvidos em Flash 11, o que permite a utilização do botão esquerdo do mouse – recurso que torna a jogabilidade mais intuitiva. “Sou grato, tive a oportunidade de chegar e fazer isso: criar um jogo em que eu realmente acredito que os jogadores irão se apaixonar.”, afirma Wright Bagwell.

Screenshots

Vídeo

fonte: Gamasutra

Anúncios